CEPR - Center for Economic and Policy Research

Multimedia

En Español

Em Português

Other Languages

Home Publications Em Português Artigos Cancelamento da Visita de Estado Brasileira Marca um Novo Ponto Baixo nas Relações Estados Unidos – América Latina

Cancelamento da Visita de Estado Brasileira Marca um Novo Ponto Baixo nas Relações Estados Unidos – América Latina

Mark Weisbrot
The Guardian Unlimited, 18 de setembro de 2013
Em inglês | Em espanhol

Para a versão original em Inglês, clique aqui

A notícia do cancelamento da Visita de Estado da Presidente brasileira Dilma Rousseff à Casa Branca, agendada para o próximo mês, chegou ontem sem surpresa. Documentos vazados por Edward Snowden e divulgados por Glenn Greenwald e pela TV Globo causaram alvoroço no Brasil. De acordo com os documentos e reportagens, o governo dos Estados Unidos espionou as comunicações pessoais de Dilma e tomou como alvo os sistemas de computadores da Petrobrás, a grande companhia de petróleo do Brasil, de propriedade majoritária do Estado.

A reportagem da TV Globo indicou que a informação contida na rede de computadores da Petrobrás em questão poderia ser muito valiosa para companhias petroleiras estrangeiras. O ex Presidente Lula da Silva disse que Obama deveria “desculpar-se pessoalmente perante o mundo”, e Dilma também cobrou um vpedido de desculpas público satisfatório, que não foi dado prontamente.

A divergência com o Brasil chega em um momento de deterioração das relações dos Estados Unidos com a América Latina, especialmente com a América do Sul. Ela é indicativa de um problema muito mais profundo. A recusa do governo americano em reconhecer o resultado das eleições venezuelanas em abril deste ano, apesar de não haver dúvidas sobre estes resultados e em clara oposição ao resto da região, manifestou uma agressividade que Washington não demonstrava desde o apoio ao golpe na Venezuela em 2002. Isso gerou forte reprovação na América Latina, também da parte de Lula e Dilma

Menos de dois meses depois, o Secretário de Estado estadunidense John Kerry abriu uma nova dissuasão, reunindo-se com sua contraparte venezuelana, Elías Jaua – a primeira reunião de tão alto escalão desse tipo de que se tem memória – e reconhecendo implicitamente os resultados eleitorais. Mas novas esperanças foram rapidamente frustradas quando vários governos europeus, agindo claramente em nome dos Estados Unidos, forçaram a aterrissagem do avião do presidente Evo Morales em julho. A Presidente Cristina Kirchner tuitou: “ficaram loucos definitivamente” e a UNASUR (União de Nações Sul-Americanas) emitiu uma forte denúncia. A grave violação da lei internacional e das normas diplomáticas foi outra exuberante demonstração da falta de respeito de Washington pela região.

Parece que a cada mês há uma nova indicação de quão pouco o governo Obama se preocupa em melhorar essas relações. Em 24 de julho, o FMI, sob instruções do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos, abandonou seus planos de apoiar o governo argentino em sua batalha legal contra os “fundos abutre”. O FMI já havia se comprometido previamente a apresentar um sumário à Suprema Corte estadunidense em apoio ao governo argentino. Isso não se dava por amor à Argentina, mas porque a decisão de juízos de instâncias inferiores - que para satisfazer os fundos abutre buscava evitar que a Argentina pagasse 92% de seus credores – foi vista como uma ameaça a futuras reestruturações da dívida e, portanto, ao sistema financeiro mundial. No entanto, se permite que lobistas anti-Argentina prevaleçam, mesmo contra a legítima preocupação do Departamento de Tesouro pela estabilidade financeira internacional.

Há razões estruturais para os repetidos fracassos do governo Obama em aceitar a nova realidade de governos independentes na região. Embora o Presidente Obama possa querer melhores relações, está disposto a gastar com isso mais ou menos dois dólares em capital político. E isso não é o bastante. Quando tentou indicar um embaixador na Venezuela em 2010, por exemplo, os republicanos (incluindo o gabinete do então Senador Richard Lugar) tiveram sucesso em fazer afundar a iniciativa.

Para o Presidente Obama, relações ruins com a América Latina geralmente não tem consequências eleitorais. Ao contrário do Afeganistão, do Paquistão, da Síria e outras áreas de conflito armado e guerra potencial, aí não há perigo iminente de que algo possa explodir em suas mãos e causar danos administrativos para seu governo ou partido. A principal pressão eleitoral vem daqueles que querem oposição mais agressiva aos governos de esquerda – por exemplo os cubano-americanos da Flórida e seus aliados no Congresso, que atualmente prevalecem na Casa. A maior parte do establishment da política externa não se importa com a região de modo algum, e aqueles que se importam compartilham principalmente a visão de que a virada à esquerda é algo temporário, que pode e deve ser revertido. Enquanto isso Washington expande sua presença militar nas áreas onde tem controle (por exemplo em Honduras) e se dispõe a apoiar a derrubada de governos de esquerda quando surja uma oportunidade (Honduras em 2009e Paraguay no ano passado).

Em 1972, o Presidente Richard Nixon fez uma visita histórica à China, que inaugurou uma nova era nas relações Estados Unidos-China. Ele expressou diversas razões para a mudança na política: “Estamos fazendo a coisa da China para ferrar os russos e nos ajudar no Vietnã e manter os japoneses na linha”, disse a seu assessor de segurança Henry Kissinger. Mas ele também reconhecera algo importante, quase 22 anos depois da revolução chinesa: a independência daquele país não seria mais revertida.

Infelizmente, Washington ainda não chegou à mesma conclusão sobre a América Latina, especialmente sobre a América do Sul, cuja “segunda independência” é possivelmente uma das mudanças geopolíticas mais importantes ocorridas no mundo nos últimos 15 anos. Praticamente não há reconhecimento no establishment da política externa aqui – tanto dentro quanto fora do governo – de que algo importante mudou e de que o governo dos Estados Unidos deve aceitar essas mudanças e alterar sua política levando-as em conta. Até que isso aconteça, não esperem relações mais calorosas entre Estados Unidos e América Latina.


Mark Weisbrot é co-diretor do Center for Economic and Policy Research, em Washington. Ele é também presidente da organização Just Foreign Policy.

 

CEPR.net
donate_new
Combined Federal Campaign #79613